Como economizar na hora de comprar livros

Livros... o meu paraíso e também o meu pesadelo. Nunca fico sem um livro debaixo dos braços, mas como eu não nasci com dinheiro, é meio difícil continuar com essa minha mania. Mas é aí que eu trago para vocês algumas dicas de como economizar na hora de aumentar a sua lista de comprinhas.

Passo 1: Compre pela Internet

Muita gente gosta da emoção de comprar o livro na livraria e chegar com ele embrulhadinho em casa, mas é fato que algumas livrarias metem a faca e cobram os exemplares a preço de lançamento. Eu já cheguei a ver diferença de R$ 20 entre sites e livrarias. Cara, com esse dinheiro você poderia comprar OUTRO livro. Repense! Custa mesmo esperar uma semana? Aproveite esse tempo para ler outra coisa. Ou, se a vontade for muita, baixe o e-book do livro e comece a ler os primeiros capítulos; daí, quando o pedido for entregue, você retoma em mãos de onde parou no computador.

Passo 2: Pesquisa em sites

Sites como o Buscapé ajudam muito na hora de comparar preços. Às vezes aquela loja simples que muitas vezes esquecemos pois sempre pensamos nas maiores, como Americanas e Saraiva, apresentam preços muito mais em conta. Vale a pena dar uma olhada; quem sabe você não enche o carrinho virtual com um monte de livro legal?

#Dica: Fnac. Eu nunca comprei por lá, mas conheço gente que comprou e adorou o serviço. Veio tudo direitinho. Os preços são baixos e às vezes eles fazem umas promoções fantásticas. Portanto, fique de olho!

Passo 3: Vá a sebos

Eu sei, eu sei. Você tem nojinho de sebo. Eu também tenho, pelo menos um pouco. Adoro ter livros novinhos em folha, intocados, imaculados, reservados somente para mim. Mas, pô, se você está economizando de verdade já era hora de deixar esse preconceito de lado, né? Até mesmo porque sebo não tem só coisa velha, fedida e fodida (apesar de elas serem maioria). Muita gente compra um livro, não gosta e acaba vendendo/doando/trocando. Eu mesma comprei o Bubble Gum, da Lolita Pille, por R$ 15, e ele está tão bem cuidado que só dá para dizer que ele não saiu da livraria por causa da página carimbada com nome do sebo [#FAIL].

#Dica: Peça descontos, tente levar dois livros por um preço menos salgado. Às vezes um descontinho pode rolar. Não perca a chance!

Passo 4: Tenha paciência

Por mais que aquele livro da Sophie Kinsella tenha sido lançado ontem, por mais que você esteja há meses ansioso por ele e por mais que você tenha um dinheirinho em mãos implorando para ser gastado... pense de novo.


Livrarias e sites costumam fazer promoções para atrair clientes. Mas clientes espertos que sabem esperar. Aposto que, se você é bookaholic, tem uma lista enorme de livros que quer comprar – e aposto que alguns deles não são novidade. Vá atrás deles primeiro enquanto a febre dos novos não abaixar. Aproveite promoções para comprá-los e devorá-los. E, enquanto você faz isso, o outro livro vai baixando de preço até chegar a um valor pagável.

#Dica: A não ser que você queira algum da Marian Keyes. Com ela, tem que ser desprendido mesmo e levar ferroada dos escorpiões no bolso, porque dificilmente as obras dela ficam mais baratas. E, quando ficam, vão de R$ 60 para R$ 50.

Passo 5: Faça trocas

Leu aquele livro e o achou totalmente dispensável? Conhece alguém que está morrendo de vontade de lê-lo? Essa pessoa tem um livro que você quer muito ler? TROQUE COM ELA! Você lê um livro e mais e ainda aproveita para se livrar daquele estorvo que ficava ocupando sua prateleira.

E não se preocupe se você não conhece ninguém próximo que leia, ou que tenha livros do estilo que você gosta: sites como o Skoob possuem uma ferramenta que permite aos usuários divulgar os livros disponíveis para troca. Assim, você pode encontrar alguém do Sul que tenha ótimos livros para trocar, mesmo com você morando no Nordeste.

#Dica: Sebos fazem trocas também, mas não são todos.

Passo 6: Pegue emprestado

Se você não é nem um pouco materialista e não sente a necessidade de ter cada livro que leu na prateleira [o que não acontece nem um pouco comigo, mas tudo bem], você pode pedir livros emprestados e aproveitar a boa leitura sem gastar um centavinho sequer. Mas né, isso exige muito desprendimento, então só recomendo esse passo para pessoas espiritualmente evoluídas e tudo o mais.

Passo 6: Pechinche

Não digo pechinchar de implorar por um desconto. Pergunte casualmente, tipo, “tem desconto para cartão?”. Ou, se você for pagar em dinheiro, tente: “tem desconto à vista?”. Se o vendedor disser que não, não passe vergonha: NÃO INSISTA. Você está numa livraria – ou num sebo – e não em uma loja de roupa. Às vezes eles fazem descontos pequenos, mas que se você somar fazem uma grande diferença.

Tá, talvez nem tanta assim. Mas quem tá sem dinheiro tem que se virar, né? E virar os bolsos também. Crise financeira atinge todo mundo, e é bom estarmos preparados para dias tensos de AI-MEU-DEUS-NÃO-POSSO-COMPRAR-PORQUE-TÔ-SEM-GRANA.

- Fonte
Eu assumo que eu sou uma lerda e nunca lembrei de dicas bobas como pechinchar. Nunca pego emprestado porque eu não conheço ninguem que tem os que eu quero - mas se eu achar quem tenha eu pego empretado sim. Também não faço trocar porque raramente tenho livros para trocar. Paciencia não é a minha. Não tem sebos na minha cidade, e minha mãe abomina comprar pela internet. Mas quem sabe eu consigo dobrar ela, não?

1 comentários:

Hope Lavelle disse...

Adorei as dicas! :D

Postar um comentário